188bet

Crise no setor leiteiro acelerou concentração em produtores de grande escala, apontam especialistas

Publicado em 30/01/2024 15:03 e atualizado em 01/02/2024 14:29
Elevação de custos de produção e esmagamento das margens em 2022/23 acabou tirando do jogo produtores pequenos e médios que estavam investindo e não tiveram retorno financeiro

Logotipo 188bet

“Estamos mudando o perfil do produtor de leite no Brasil. Este processo já vinha acontecendo, e essa crise em 2022 e 2023 só aumentou a velocidade”, explica o pesquisador da Embrapa, Paulo do Carmo Martins.  De acordo com ele, desde 2013 a produção de leite no Brasil não aumentou, e o leite que antes era produzido por pequenos e médios pecuaristas e que saíram da atividade, foi substituído pelo grande produtor, em um movimento de concentração da produção. 

“Isso aumentou a velocidade porque você investe e precisa de receita, e a receita não chegou. Essa turma saiu, e o grande, por outro lado, percebeu muito claramente que aumentar a produção reduz o custo unitário de produção. De 2009 a 2022, os 100 maiores produtores de leite no país aumentaram em 1,5 milhão de litros de leite por dia em  sua oferta. Mas quando se vê a produção brasileira, ela não cresceu. O que isso significa? O que os pequenos que saíram foram substituídos pelos grandes”, afirma, Martins.

Com custos de produção elevados nos últimos anos, principalmente relacionados à nutrição dos animais, e rentabilidade mais baixa para o produtor, as margens ficaram esmagadas. 

Natália Grigol, pesquisadora do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), reforça que, apesar da falta de estatísticas atualizadas sobre a saída de produtores de leite da atividade, “quando se vê os números da produção de leite a gente vê uma tendência de concentração do tipo de produtores”. 

“A volatilidade dos preços do leite e dos insumos atinge as categorias de produtores de leite de jeitos diferentes. Temos perfis de produtores, bacias leiteiras muito distintas. Os dados mostram que existe um padrão desta exclusão, e os que foram mais penalizados pelos preços dos insumos e do leite são aqueles que não atingem uma grande escala que seja interessante para negociação com os laticínios. O produtor pequeno, aquele de subsistência, às vezes acaba ficando por mais tempo no mercado. O produtor médio é o mais vulnerável, que não consegue escala significativa para diminuir o custo unitário. Ele não consegue o tempo de projeção de retorno do investimento que ele fez para ganhar em escala e acaba sendo penalizado. O que tem escala, que tem uma condição melhor de negociação, que tem um custo unitário de produção menor é aquele que vai se concentrar”, afirma. 

O presidente da comissão técnica de leite do Sistema Faemg Senar (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e vice-presidente da comissão de leite da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Jonadan Ma, explica que quem produz até 200 litros de leite por dia no Brasil , considerados ‘pequenos’, são 93% dos estabelecimentos no país. Dentro desta categoria da pequena produção, 49% do leite produzido no país vem destas fazendas.

“Os grandes produtores vão assumindo o lugar do médio produtor, o pequeno produtor até 200 litros/dia, esse que sobrevive na subsistência, ele continua na atividade. O problema são os que não estão conseguindo superar essa crise de custo de produção, que pagam empregado, produzem entre 500 a mil litros por dia, que é o médio produtor. Os que estão acima dessa escala, eles vão conseguindo se manter”, esclarece Ma. 

CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO É TENDÊNCIA QUE TAMBÉM ATINGE OUTROS PAÍSES

De acordo com o vice-presidente da comissão de leite da CNA, Jonadan Ma, há dez anos consecutivos a produção leiteira no país está estagnada. “Cresceu até 2012, e de 2013 a 2023 ‘estacionou’ a produção de leite. O fechamento de 2023 deve manter ou ter leve declínio na produção. É triste para um país do tamanho do Brasil que produz 34,1 bilhões. O grande problema hoje não é apenas a importação, é a falta de incentivo ao produtor para que ele consiga começar a produzir mais leite”.

Jonadan Ma detalha que este fenômeno que foi acelerado no Brasil devido à crise no setor leiteiro não é algo inédito e nem recente, já que atinge outros países há algum tempo. 

O especialista traz dados da Embrapa Gado de Leite e do Sistema Faemg/Senar, apontando que, no Brasil, em 2000 havia 1,605 milhão de propriedades produtoras de leite, e em 2021, caiu para 1,130 milhão. “O Brasil perdeu 500 mil produtores, ⅓ em 20 anos. No Brasil vai continuar este movimento, talvez mais acelerado agora”, explicou. 

“Não temos dados oficiais, mas existe de fato  gente saindo. Em 2000, os Estados Unidos tinham 83 mil fazendas produtoras de leite, número que caiu para  30 mil fazendas em 2021. Na Alemanha, tinha em 139 mil propriedades leiteiras em 2000, e em 2021 eram 55 mil. Isso foi sendo uma concentração também. A Argentina, reduziu de 17 mil fazendas leiteiras em 2000 para 10 mil fazendas em 2021”, disse. 

CONCENTRAÇÃO DO NÚMERO DE FAZENDAS LEITEIRAS
Fonte: Jonadan Ma
SETOR INDUSTRIAL TAMBÉM PASSA POR MOVIMENTO DE CONCENTRAÇÃO

A pesquisadora do Cepea, Natália Grigol, aponta que não apenas o setor produtivo vem passando por este movimento de concentração mais acelerado, mas o agroindustrial também. 

“Vemos não só os produtores, mas na indústria de laticínios observamos que está havendo concentração. Em nenhum momento essa cadeia industrial deixou de se concentrar, seja um comprando o outro laticínio, seja fusão, aquisição de massa falida, comprando empresas transnacionais. Os efeitos desta crise afetam a cadeia de ponta a ponta. Quando aumentou o custo de produção como foi em 2022, aumentou para todos, e aí é difícil a competição. Você substitui atores que não têm mais como investir, mas de forma acelerada”, pontua Grigol.

2023: UM ANO PARA SER ESQUECIDO

O presidente da comissão técnica de leite do Sistema Faemg Senar (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e vice-presidente da comissão de leite da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Jonadan Ma, afirma que o ano de 2023 “é para ser esquecido na história da pecuária leiteira”. 

“A cadeia toda sofreu demais, a partir de maio em diante tivemos uma escala descendente no preço pago e uma elevação recorde na importação que desbalanceou toda a cadeia leiteira. É um ano a ser esquecido, porque levou o produtor a trabalhar no prejuízo por boa parte do ano”, afirmou Ma. 

Segundo informações do Cepea, no acumulado de 2023, as importações chegaram a 2,25 bilhões de litros em equivalente leite, o que representa uma elevação de 68,8% em relação a 2022. O principal derivado lácteo adquirido pelo Brasil no ano passado foi o leite em pó, com expressivo avanço de 83,4% sobre o balanço de 2022. Entre os principais exportadores de leite para o Brasil figuram Argentina e Uruguai.

De acordo com o pesquisador da Embrapa, Paulo do Carmo Martins, o  padrão brasileiro era importar em torno de 3% ao equivalente à produção de leite do Brasil. “Estamos em uma fase de transição em que o problema não está no preço, e sim no custo. O preço como média está voltando para o patamar normal, mas o pequeno produtor está sofrendo. Os custos não estão voltando e a margem ficou apertada para a produtividade média do produtor brasileiro”.

Martins aponta que no ano passado, a importação de lácteos chegou a 10%, 12% do equivalente à produção nacional, batendo recorde. “O preço médio e a produtividade média levam a um preço médio, fazendo com que boa parte dos produtos não consigam ser competitivos. Se continuarmos a adotar essa política de não intervenção, o Brasil vai importar 5%”.

O pesquisador aponta o possível percentual de 5% levando em conta uma movimentação de alta no mercado internacional de leite. “Os preços internacionais vão subir e vai ajudar a reduzir as importações também por conta disso no Brasil. A nossa importação está muito dependente da Argentina e do Uruguai. Na Argentina temos um governo que ainda não se desenhou como vai ser. Isso traz uma incerteza quanto ao que vai acontecer em relação às exportações de leite. Ainda não é possível analisar estes anúncios do governo argentino por ser um governo que está no início”.

IMPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DE JULHO A DEZEMBRO DE 2023
Fonte: Jonadan Ma

 

IMPORTAÇÕES DE LEITE POR ORIGEM
Fonte: Jonadan Ma
importações de leite série histórica
Fonte: ComexVis

Para a pesquisadora do Cepea, Natalia Grigol, é um desafio mundial trabalhar com os custos em elevação, e a tendência global é de que a produção de leite cresça a passos mais lentos neste ano de 2024. O Brasil, segundo ela, tem uma prospecção de aumento de 1,5% este ano.

“É interessante observar como isso vai acontecer ao longo do ano, pois a gente já começa o ano com a produção em desaceleração, com margens mais espremidas, redução no número de produtores, de vacas, de investimentos, e o El Niño afetando a safra de grãos e silagem. Esse primeiro semestre de 2024 deve vir com uma disponibilidade de leite menor. Vamos sentir na pele o que é uma produção desestimulada”, destaca a pesquisadora. 

Grigol ainda continua, citando que “esse contexto de uma produção mais enxuta neste primeiro semestre é delicado e ainda traz a preocupação das importações. O setor tem falado muito de uma tendência de que as importações tenham diminuição em 2024, que o cenário de 2023 não irá se repetir, até porque tem uma diferença muito menor do preço interno e externo. Todos os preços da cadeia do leite estão voltando aos patamares pré-pandemia, diminuindo a distância com os preços externos. De forma geral, o que parece é que as importações são menos volumosas, mas não significa que elas vão deixar de ser expressivas”.

importações de leite comparação 2022 2021
Importações de leite (comparação entre 2022 e 2021). Fonte: ComexVis
importações de leite origem 2022
Importações de leite origem em 2022. Fonte: ComexVis
importações de leite comparação 2023 2022
Importações de leite (comparação entre 2023 e 2022). Fonte: ComexVis
importações de leite origem 2023
Importações de leite origem em 2023. Fonte: ComexVis
MEDIDAS DE MITIGAÇÃO ÀS IMPORTAÇÕES DE LÁCTEOS

A partir de 1º de fevereiro entra em vigor o Decreto Nº 11.732, de 18 de outubro de 2023, que modifica o Decreto nº 8.533/2015 para estimular a venda de leite in natura por produtores brasileiros. A medida altera a aplicação dos créditos presumidos de PIS/Pasep e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) no âmbito do Programa Mais Leite Saudável. As informações são do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar.

“As empresas de  laticínios ou cooperativas que comprarem leite no Brasil poderão ser  beneficiadas com até 50% de créditos presumidos. Para isso, é preciso estarem cadastradas no Programa Mais Leite Saudável. Aqueles que não forem cadastrados podem ter direito a 20% do benefício fiscal”, explica a publicação.

Conforme explica o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), Geraldo Borges, desde junho de 2023 as entidades principais ligadas à cadeia leite e a frente parlamentar do leite se uniram e, de junho a dezembro, participaram de reuniões ministeriais e na Câmara dos Deputados para levar o pleito do setor em relação Às importações excessivas de lácteos.

Levando em conta que os principais exportadores de leite para o Brasil são Argentina e Uruguai, Borges pontua que “sempre houve crises e momentos de enxurradas de importação, coisa que durava cerca de 90 dias, e o produto vinha da Argentina e do Uruguai. E quando a gente viu de agosto de 2022, até janeiro deste ano, com 2023 batendo recorde de importação, nos trouxe um impacto nunca antes visto, pois este tipo de crise durava pouco, e agora está longo. Um dos fatores que incentivaram isso foi a parada das importações de alguns países asiáticos para a china, e praticamente o que o Uruguai e a Argentina mandavam para a China veio pra cá, a desvalorização do peso argentino também trouxe essa competitividade ao produto argentino, e tivemos ajuda destes dois países a seus produtores, com uma série de benesses, como subsídios e isenções, podendo trabalhar no vermelho, trabalhar aquém do preço”. 

“Para que essa medida que vai entrar em fevereiro, não seja emergencial, ela foi solicitada há alguns meses e vai vigorar em  de fevereiro, 3 meses após a publicação. Ela perdeu o timing de ser emergencial. Mas se ela vai ser uma medida estruturante, só iremos saber a partir do momento que ela passar a vigorar. Se diminuir as importações não será só em função desta medida, o aumento do preço do leite no mercado internacional também pode ajudar a mudar o quadro”, complementou Borges

Além deste pedido, outros pleitos também estavam na pauta, segundo Jonadan Ma. Um deles eram medidas compensatórias para barrar as importações, e este decreto é parte disso, “mas ainda tem muito para fazer, e principalmente fazer uma revisão, chamar a mesa o mercosul para que o leite seja tratado de forma diferenciada, assim como o etanol por exemplo com a Argentina”. 

Outro ponto citado por Ma é o desejo da cadeia leiteira de que “o governo adote medidas em nível nacional para negociação ampla e irrestrita do endividamento dos produtores de leite”.  

Foi aprovado no último dia 21 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) a linha de crédito especial com subvenção federal específica para cooperativas de produtores de leite com repasse de mais de R$ 700 milhões. A proposta foi apresentada pelos ministérios da Agricultura e Pecuária (Mapa) e do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA).

A inciativa tem objetivo de possibilitar às cooperativas de produção de lácteos a obtenção de recursos financeiros que as permitam ajudar os produtores a regularizarem sua situação e outros compromissos em relação aos insumos adquiridos na cooperativa e das dificuldades pelas quais os produtores de leite tivessem.

“O que foi liberado não resolve o endividamento amplo e irrestrito que ocorreu no setor inteiro. Precisamos ampliar não só para cooperativas, mas quem também não é ligado à cooperativa”, disse Ma.

A terceira medida, segundo Jonadan Ma é que o leite, sendo hoje “um assunto de estado”, faz parte da segurança alimentar do país, e que deveria entrar em um plano de aquisição nacional do governo, seja de merenda escolar ou cesta básica, por exemplo.

“Acreditamos que 2024 o produtor deve ter uma condição melhor, mas o que ainda queremos é competitividade em preços, e pra isso tem que ter medidas para incentivar o produtor brasIleiro aumentar a produção e passar a exportar, e não ser um dos maiores importadores de leite”, afirmou Ma. 

PRODUTORES BUSCARAM FORMAS DE NAVEGAR COM MENOS INSTABILIDADE DURANTE A CRISE

Conforme disseram os especialistas consultados pelo 188bet, a crise no setor leiteiro afetou toda a cadeia, mas de formas diferentes. Sendo assim, a reação de produtores para conseguir permanecer na atividade tendo renda, também são diferentes. 

Áureo Carvalho, pecuarista em Santa Rita de Caldas, Minas Gerais, relata que no caso dele, o ano de 2023 foi um pouco mais estável, uma vez que ele trava contrato de farelo de soja e compra o milho de uma vez só para o ano inteiro. 

“O meu custo de produção não sofre oscilação, porque a empresa para a qual eu forneço leite eu travo contrato quando é a melhor janela de compra. Compro milho em maio, junho, que é o momento da safra. O que impacta mais no custo de produção de leite é  alimentação, e eu faço a silagem aqui na fazenda. Quando começou a cair o preço do leite em junho, eu tinha gordura para queimar. Eu tinha R$ 1,45 de custo de produção por litro, e quando baixou mais o preço, eu ainda tinha lucro de R$ 0,58 por litro”.

Ainda assim, Carvalho destaca que foi um ano desafiador, principalmente para quem não se planejou. “Tem vizinho com custo de 1,90 a 2,10 na região. O produtor hoje tem que se profissionalizar, e tem gente que não sabe o custo real, sabe que está perdendo dinheiro, mas não faz as contas. Vi muito produtor deixando a atividade ou reduzindo consideravelmente a produção, 40% a 50%, porque não estava dando conta dos custos e do preço pago pela tonelada. Foi um ano muito difícil para a pecuária leiteira”. 

produção de áureo carvalho
Propriedade de Áureo Carvalho, em Santa Rita de Caldas, Minas Gerais

Se o ano de 2023 foi turbulento, Aliny Spiti, que é produtora de leite em Manoel Ribas, no Paraná, entrou na atividade ‘no olho do furacão’. Ela é de família de produtores de leite, mas junto do marido, iniciou a própria produção leiteira há cerca de um ano.

“Para nós foi bem desafiador. Começamos com poucos animais, financiamos toda a estrutura, a compra de animais… O que nos ajudou a permanecer foi refinanciar muita coisa e a gente ter outras fontes de renda, como o plantio de soja, gado de corte, que dá uma aliviada. Teve uns meses que foram muito complicados, quando baixou muito, comecei a fazer uns queijos para vender na cidade, e agregar um pouco de valor. Até hoje eu faço, cerca de 100 unidades e doce de leite”, disse, apontando que a diversificação na propriedade foi o que ajudou a manter as contas.

Aliny conta que a produção iniciou com 10 animais produzindo 50 litros/dia, e agora são 18, com produção média diária de 250 litros de leite. “Investimento a gente não vai fazer mais. Esses animais que temos vamos deixar criar, temos estrutura para 20 animais para lactação, e a curto prazo não vamos fazer investimento”, explicou.
 

produção de leite aliny spiti (1)
Propriedade de Aliny Spiti, em Manoel Ribas, no Paraná
produção de leite aliny spiti (2)
Aliny Spiti, que é produtora de leite em Manoel Ribas, no Paraná

 

Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio
Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
188bet

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário

    188bet Mapa do site